fbpx

Últimas notícias sobre o Cérebro

Sobre o cérebro

A imagem percorre as seis seções da área visual, luz, movimento e cor.
Logo aparece como um holograma, após a imagem se distribui á áreas adequadas do lóbulo temporal dando significado aos dados que ingressaram através do lóbulo occipital. Isto é neuroplasticidade.

Neuroplasticidade

Quando não atualizamos o cérebro com informação nova, este se configura da maneira estruturada e se satura de programas de condutas automáticas que já não contribuem à evolução. Criar então uma nova mente é fundamental e isto vale para qualquer idade. Baseado no princípio de que a mente influência à matéria, e toda e qualquer realidade. Aplicar neuroplasticidade, reorganizar os fios e mudar a lembrança para deter a herança genética não conveniente para nossa vida.

Dois tipos de consciência

Existem dois tipos de consciência ou dois tipos operativos do cérebro

  • Subjetiva: consciente, neo-córtex explora a identidade.
  • Objetiva: subconsciente, metencéfalo, cerebelo e tronco cerebral são as fontes da vida.

Unir nossas mentes (consciente e inconsciente) permitem instalar um novo hardware.

Os impulsos nervosos

Como Os impulsos Nervosos Difundem a Mensagem?

Analisamos uma atividade simples, por exemplo: como levantar um lápis?

  • O Pensamento cria a primeira ação no cérebro.
  • Os olhos vêm o lápis.
  • O Lóbulo occipital, registra o que você vê.
  • O Lóbulo temporal associa lembranças e aprendizagem, com outras áreas do cérebro criando outra série de potenciais em ação.
  • O Lóbulo frontal, permite manter a atenção enquanto se inclina para recolher o lápis.
  • O Lóbulo parietal, porção motriz ajuda nos movimentos, você sente o lápis.
  • O cerebelo, lhe dá a possibilidade do movimento motriz fino.

Finalmente tem o seu lápis na mão!

Nascemos Tabula Rasa como disse Aristóteles?

Fatores genéticos e biológicos demonstram os padrões preexistentes do cérebro. Bebê reconhece a voz da mãe, ativando assim a geração da parte futura da linguagem.
Mães com estresse induzem a criação de cérebros com menos conexões do neocortex, e de mesencéfalo maior. Meio milhão de neurônios são gerados a cada minuto em um mês de vida. Até o sexto mês gera 250.000 neurônios.
A partir do sexto mês: há 2.000.000 conexões por segundo.

E a teoria da Tabula Rasa?

Até os dois anos: se realiza um processo de poda, confirmando redes por estímulos e apagando os não desenvolvidos. O maior número de sinapses se realiza no neocortex.
Outro aumento acelerado acontece na puberdade. Ativa-se a amídala. Logo há redução das conexões que se prolonga vai até os 25 anos.
A última região do cérebro a se desenvolver é a área pré-frontal ou lóbulo frontal: onde está o potencial das mudanças (atenção, concentração, planificação, regulação da conduta) que usamos para aprender e anular as velhas conexões. Final do lóbulo frontal está pronto por volta dos 25 anos. Etapa equivalente à maturidade.

Quatro pilares da cura

Na maioria de nós existe a convicção de que existe um poder superior. O mesmo poder que fez o corpo deve curar o corpo.

  • O pensamento tem poder, eles se convertem em matéria. O cérebro libera substâncias químicas: a dopamina e os neuropéptidos.
  • Os pensamentos conscientes repetidos constantemente se convertem em inconscientes.Por isso se precisa esforço e consciência para romper os ciclos.
  • O aprendizado segundo Habb: as células nervosas que se acendem juntas se conectam entre si e por isso podemos mudar. A conseqüência e o ponto três.
  • Podemos reinventar.

Temos poder de usar a atenção num foco: a ciência tem demonstrado que quando nos concentramos toda a máquina cala.
Então surge a possibilidade da reinstalação cerebral, isto é plasticidade gerando a Neurogensis.

Neuroplasticidade em ação 2005:

Revista NeuroRepor testando a mente dos budistas e em 1998 afirma que as células tem capacidade regenerativa.
Em 2004 a Academia Nacional de Ciências diz o que treino mental por meditação e concentração pode mudar o cérebro.

O enigma do crescimento cerebral

200.000 OU 300.000 anos atrás o MESENCÉFALO humano chegou até o limite do crescimento. Então o NEO-CÓRTEX cresceu 20 % a mais, começando a existir o que chamamos de consciência.

O cérebro humano consta de três sub-cérebros:

  • Cérebro réptil ou (cerebelo):
  • Dirige o movimento e equilíbrio, por exemplo, andar em bicicleta ligado ao tronco cerebral que controla o ritmo cardíaco, vigília e alerta.
  • O paleopalio ou metencéfalo: também chamado cérebro límbico, é o cérebro emocional, luta, ataca, faz sexo, e se alimenta.
  • O NEOCORTEX: lugar de nossa percepção consciente.

Os quatros lóbulos neocorticais

Lóbulos parietais: Encarregado das sensações de tato e impressões, tarefas visual-espaciais, o que sentimos com as mãos, por exemplo, ainda interpreta a informação, se tem dor ou não.
Lóbulos temporais: Encontram-se debaixo de cada ouvido. Eles processam sonido, percepções, linguagem, memória, aprendizado e olfato. Armazenam a memória de longo prazo que é associativa.
Lóbulos Occipitais: ou córtex visual tem, seis regiões diferenciadas que processa o mundo exterior, cada uma interpreta luz, movimento, forma, figura, profundidade, cor.
Lóbulos frontais: direcionado à percepção consciente e atenção, considerado à área do livre arbítrio.
Por meio do neo-córtex, usamos as capacidades racionais, resolução de problemas, planejamento, livre arbítrio, organização, comunicação, processamento da linguagem entre outras.

Neurologia é a química do estresse

Viver com estresse é viver o modo da sobrevivência.
Com o estresse o corpo sai do estado de equilíbrio homeostático normal considerando a química normal do corpo. Se este estado persiste o corpo não tem como reparar o desgaste. É a hora da doença.

Resposta química:

Via lenta, a mensagem é dirigida ao hipotálamo, acionando os péptidos, liberando hormônios, logo a glândula pituitária ativa a supra-reunais, estimulando os glucocorticoides que modificam o corpo.

Resposta neurológica:

É a Via mais rápida, do sistema nervoso, passa à medula espinhal, daí aos nervos periféricos e logo supra-renais estas produzem adrenalina que vai para o sangue do corpo.

Definindo o Estresse.

Físico: acidentes, esforços excessivos.
Químicos: Preocupação com toxinas, alimentos do meio ambiente.
Emocional-Psicológico: preocupações, de tempo, dinheiro, carreira, perda de um ser querido.

Classes

Estresse agudo: dos animais, termina rápido
Estresse crônico: decisões de longa data, falar algo comprometido que nos constrange. Este tipo de estresse não dá tempo ao corpo para se recuperar.

A Novidade, o Estresse e o Hipocampo.

Os glicocorticoides químicos do estresse em longo prazo destroem os neurônios do hipocampo destinado à formação de lembranças a partir do novo. A pessoa se refugia na família rejeitando o novo.
A regeneração do hipocampo é uma segunda oportunidade e implica sair do campo da sobrevivência, elaborando novas lembranças.

Reações ao estresse ou deter o pensamento.

Péptidos
São as moléculas da emoção,os químicos que mais influem na conexão entre a mente e o corpo, as quais liberam informações á células que se conecta aos receptores modificando a energia.
O ADN da célula, é sempre e será a mesma proteína se não modificar o pensamento.No caso de não modificação se instala a adição. Diante da repetição o processo é a repetição da célula então os receptores se desativam, o desequilíbrio está instalado e o corpo domina a mente. O sistema nervoso autônomo se liga a amídala, e logo liga ao sistema nervoso para-simpático.

Efeitos do pensamento no corpo

Vejamos o efeito da atitude e como influencia para beneficio da saúde ou a doença.
A Atitude influencia a rede neuronal fazendo que péptidos criados no hipotálamo que são as moléculas da emoção, enviem sinal á célula. Assim desperta-se receptores na célula que são as expressões de ADN manifestadas pelas proteínas que expressam vida gerando a saúde do corpo.

Adição e abstinência

Cortando por vontade própria uma adição ou repetição provoca que:
O corpo manifesta desagrado, entrando em caos e trazendo a resolução da mudança.
No meio do câmbio é quando mais se sente o corpo, se incomoda e traz mais sofrimento, o indivíduo sente mais o desconforto e o sofrimento que o benefício que o câmbio pode trazer.
Neste momento entra o papel da disciplina: porque o passado tem sensações e o futuro não, assim podemos voltar ao familiar, ceder aqui tem relação com o corpo e não com a mente.

Mudar o cérebro é mudar nossa vida

Romper o ciclo de sentimentos repetitivos, só se pode fazer a partir do lóbulo frontal (que nos distingue dos animais) em ação.
Em 1848, o acidente de Phineas Gage trouxe ã ciência a valiosa experiência de perceber que é através do lóbulo frontal que podemos conhecer o executivo de nossa vida.
O lóbulo frontal se conecta com todo o cérebro. Uma Lesão chamada disfunção executiva afeta toda a totalidade do indivíduo. Comprobação: o lóbulo frontal está ligado à personalidade.
A experiência da lobotomia frontal equivale a estado de desordens semelhante ao modo de supervivência ligado ao emocional inconsciente.
Pessoas com alto grau de trabalho no lóbulo frontal (centra a atenção) têm menor nível de hidrocortisona, hormônio do estresse.
O lóbulo frontal é o que os místicos chamam de o chacra do Coronário, trono do verdadeiro Eu. Por meio dele observamos nossos pensamentos.

A Lembrança da Novidade e a Rotina

O fluxo sanguíneo para os lóbulos é maior quando a tarefa é nova.
O hemisfério direito se ativa mais com o novo, ele desenvolve mais a atenção e concentração, é a nossa escolha consciente mediante a prática.

Ainda sobre o lóbulo frontal, o comando de nossa vida - determinação.

  • Regula conduta
  • Planeja
  • Resolve e evita os devaneios dos pensamentos
  • Decide
  • Controle dos impulsos (adolescentes são tão impulsivos por conta do l.frontal ainda em desenvolvimento)
  • Capacidade de fazer que um pensamento seja real (grandes mestres)
  • Aprender a viver usando os lóbulos frontais com mais freqüência.

O Lóbulo frontal através do foco impede o vagabundeio mental, sem prestar atenção às sinais do corpo, abaixando o volume dos outros centros do cérebro.

A religião e o cérebro: A Neuroteologia

Scaneogramas mostram a atividade cerebral até a perda da consciência do eu, esquecendo associações, dissociando o corpo, desaparecendo. Se formos capazes de desaparecer, podemos mostrar que usamos a mesma capacidade quando queremos configurar nosso cérebro.

O lóbulo frontal e o livre arbítrio

A capacidade da eleição não deve estar baseada na lembrança e sim no que queremos fazer: Experimento de Golderberg mostra que a capacidade de escolha é com o lóbulo frontal se este está danificado a possibilidade de livre escolha, para decidir se algo é correto ou não. A participação não é indispensável.
O já configurado no neocórtex não acende o lóbulo frontal, as decisões estão baseadas na memória. Isto não é livre arbítrio: exemplo a propaganda, para exercer o livre arbítrio precisamos fazer esforço.

Importância do Lóbulo Frontal no Aprendizado

Permite á consciência uma maior evolução em experiências novas, possibilitando aprender dos erros.
Através do lóbulo frontal podemos bloquear o antigo e praticar o novo.
O fluxo cerebral apaga a lembrança instalada na na área do bloqueio e aumenta no objetivo, teoria de Hebb: desenvolver a paciência com nossos filhos. Pergunta: que sucederia si... Então visualizamos o modelo: Três semanas, uma hora por dia. Superamos as adições emocionais e amamos o objetivo traçado.
Nos momentos de ensaio mental através da imaginação, usamos a atitude do contemplador: Pense sobre outras possibilidades.
Para conectar o lóbulo frontal: Devemos focar sem distrações e sem conectar circuitos antigos se misturando todos ao mesmo tempo, crie um ambiente adequado longe de sua rotina, ponha um horário e dê preferência de manhã.
Em 1992 experimentos publicados no Jornal de Neurologia: publicaram o treinamento de cinco sessões por semana durante quatro semanas de dois grupos de pessoas treinando um dedo! Grupo treino físico dois grupos treino mental, diferença de 30 % de força no um e de 20% de força nos dois.
Quando a mente se unifica repetidamente com o corpo este codifica o que aprendeu do entorno, então é seu corpo que manda e não sua mente, para sua mente.
Retomar o controle e ter que aprender o novo é geralmente caso de não há persistência suficiente seu corpo ganha no ensaio e ação: a partir das memórias, sistemas de memórias do cérebro, memória declarativa o explicito, atenção consciente, memória não declarativa o implícito, inconsciente, memória semântica, neo-córtex, memória episódica, encéfalo, sabedoria atual, encéfalo e cerebelo.

Pensar, fazer, ser: conceitos adicionais relacionados com a memória.

Conhecimento = pensar
Experiência = fazer
Sabedoria = ser

Repetir a experiência a partir da vontade.
Aprender os conhecimentos é pensar, aplicar eles, é fazer experimentar, o poder repetir essa experiência intencionalmente é a sabedoria do ser.
A evolução a partir da mudança, aprender, ensaio mental que leva ao pensar que leva ao conhecimento e a experiência.
E a mente, em termos físicos leva a orientação num ensaio físico determinado pela experiência.
Esta união nos leva a sabedoria que nos leva alimentar a alma.

Qual é a relação entre o pensamento e a realidade? Muda-se nosso pensamento muda nossa realidade?
A posição DESCARTES:
No século XVII: Universo era dividido entre matéria e mente. Religião era para a mente e ciência para a matéria.
A posição NEWTON:
A natureza era uma máquina e o homem tinha leis racionais para seu funcionamento.
A posição de EINSTEIN:
Unificou matéria e energia: Se dois corpos grandes os aceleram o mais rápido que se pode mover é a velocidade da luz, a relatividade do tempo e do espaço é o modelo de Einstein.

A antiga explicação científica sobre o universo era que este era uma realidade previsível e explicativa.

Século XX se estudou a luz. Sabia - se QUE a luz era onda (onda ou partícula?) Maxwell Planck, Niels Bohr, fizeram esta descoberta: Física quântica: a luz se comporta de determinada maneira de acordo á pessoa que observa o fenômeno: elétrons aparecem e desaparecem com a liberação de energia. As mentes podem agora influenciar no comportamento da matéria e da energia do nosso pensamento. Ele pode controlar o em torno e possibilita a vivência sem estresse no exercício na causa e no efeito.

Sexto mês: Conexões: 2.000.000 por segundo... E a teoria da Tabula Rasa? Até os dois anos: processo de poda confirma redes por estímulos e apaga os não desenvolvido maior número de sinapses no neocortex.

Outro aumento acelerado acontece na puberdade. Ativa-se a amídala. Logo a redução das conexões vai até os 25 anos. A última região do cérebro em se desenvolver é a área pré-frontal: onde está o potencial das mudanças (atenção, concentração, planificação, regulação da conduta) que usamos para aprender e anular as velhas conexões. Final do lóbulo frontal: 25 anos = a maturidade.

Seres humanos: indivíduos ou máquinas?

A genética neural é programada. São os rasgos genéticos de curto prazo.
Rasgos genéticos de longo e curto prazo formam nossa natureza. Compartimentos cerebrais + neurônios podem mudá-las. Rede atinge áreas do cérebro disparam juntas para produzir um nível de mente.
Os módulos não interagem separados.

Conclusão

Herdamos o 50% dos padrões de nossos pais, se logo usamos para construir o outro 50% da personalidade, temos que nos perguntar: Que chance tem de ter uma individualidade?

NEUROPLASTICIDADE OU NEURORIGIDEZ?

É a capacidade de mudar a configuração sináptica, confirmando a capacidade de evoluir.
Exemplo: pessoa cega que usa sistema braile o demonstra.
Conclusão: Quanto mais usamos os sentidos. Maior é a porção do cérebro assinada a dita informação.
Com o conhecimento e a experiência mudam e desenvolvem o cérebro.
O sistema nervoso está formado por células gliais e neurônios.
As células gliais do tecido nervoso desempenham a função de suporte mecânico dos neurônios e são fundamentais nas conexões das redes neuronais.
Especialmente os astrócitos. A quantidade se divide em matéria branca (10 vezes maior que a matéria cinza. 2001- Bem Barres -Stanford demonstra que a glia é fundamental na plasticidade neural adulta que sustenta a aprendizagem e a memória, tendo a ver com conexões novas).
Então, em termos de EU somos acumulação de conexões sinápticas, se incorporamos novos circuitos, meu EU, muda:

  • Exemplo: visão Na Língua Bach e Rita, Universidade de Wiscsin em Madison.
  • Pacientes com Lepra, tradutores nos dedos conectados com cinco pontos na sua frente.

Teoria de Hebb: "os neurônios acendem juntas e se conectam entre si" é o fundamento da aprendizagem e a memória consiste em recordar para manter a relação viva.
Sem conhecer o novo, preexiste a mente velha = A nossa predisposição genética.
Como sairmos da armadilha genética?
Repetindo, os neurônios se incêndio... Aprendendo novas informações e novas experiências.

Novo versus Rotina

  • Ao aprender uma nova informação e ter novas experiências fazemos novas conexões Sinápticas e desenvolvemos o cérebro. Chamamos esse aprendizado de potencializarão em longo prazo.
  • Aprendemos por associação. Hemisfério Direito. Usamos o que sabemos para entender o desconhecido.
  • Recordamos por repetição. Hemisfério Esquerdo. Por meio da atenção, aprendemos e praticamos de maneira repetida.

Temos duas formas de aprendizado: Através dos neurônios e por meio do processamento dual.

APRENDIZADO:

O dendrito que se mostra como um sinal forte de uma informação conhecida atrai a sinal débil da informação desconhecida ajudando a sinal débil no espaço sináptico.

COMO SE FORMAM AS LEMBRANÇAS?

A participação dos sentidos na experiência permite a lembrança. Quando os neurônios são ativados, libera uma sustância química (a neurotrofina) que ajuda no processo fazendo o crescimento neural se mover no sentido inverso ao fluxo nervoso, formando o crescimento nas terminais da outra margem, assim a mais forte ajuda à mais débil, a memória se fixa, passa de semântica para episódica, gerando uma lembrança mais duradoura.

Exemplo: aprender sobre maçã (é uma de cor vermelha bola).
Como sair da prisão? Inteligência emocional para mudar o piloto. A vida dentro da caixa.
Esta dada por nossas sensações: o que está dentro é cômodo o de fora é incômodo.
Pensar fora da caixa é obrigar ao cérebro a acender novas conexões.
Exemplo de marginado social por não saber dançar. Comer carnes estranhas.

A vida dentro da caixa é boa para nossa sobrevivência:

Sistema límbico

Através do sistema nervoso simpático, prepara o corpo para luta usando os cinco sentidos convocados pelo neo-córtex.
Através sistema nervoso para-simpático descansa, relaxando. O modo de sobrevivência é o modo emocional de funcionar. Exemplo associar uma lembrança ruim ao que esta acontecendo agora.

Como experimentar algo desconhecido sem temor?

As substâncias químicas do modo de sobrevivência acendem os neurônios do medo, faze-o repetidamente cria tensão só de pensar.
O conhecimento elimina o medo relativo á sobrevivência.